Análise crítica do texto:

« Sem dinheiro não há salvação: ancorando o bem e o mal entre Neopentecostais »

In: Textos em representações sociais, cap.6, pág.191-223 de P. A. Guareschi

O texto trata de estudos objetivando analisar os significados atribuídos ao dinheiro arrecadado de diversas formas – dízimos, coletas, contribuições…  – das pessoas integradas ao Pentecostalismo.

Critica a excessiva exploração e enganação sutil recoberta com certa lábia de linguagem persuasiva sobre a população. O principal instrumento de dominação usado é a ideologia massificante, conseguindo com bastante êxito fazer com que as pessoas pensem estar fazendo a coisa mais correta enquanto doam uma considerável parte de sua renda e sacrificam a vida de sua família, até mesmo nos aspectos de nutrição; e ainda com a convicção de que o fazem por vontade própria e se não o fizessem estariam compactuando com o Diabo.

Para melhor compreensão do fenômeno, o autor explicita alguns conceitos relevantes. O conceito de Representação Social(RS) foi criado por Moscovici, pois este achava que os conceitos de representações coletivas existentes eram muito estáticos e descritivos e não abordavam satisfatoriamente a dimensão histórico-crítica. Moscovici enfoca uma compreensão da realidade abrangendo as dimensões físicas, sócio-culturais, cognitiva, comunicacional e mental, além da dimensão objetiva e subjetiva.

Para Moscovici, a Psicologia Social possui como tarefa o estudo da ideologia e da comunicação. O conceito de ideologia é essencial para se entender as dimensões éticas, valorativas e críticas da condição humana. Estas, por sua vez, não se podem separar das ações, estando, pois, presentes na estrutura das RS.

As RS (representações sociais) são sempre ideológicas. Consistem num processo de classificar e nomear o que existe organicamente mas não está ainda ordenado categoricamente. As RS formam um conhecimento da realidade acessível a todo o conjunto social que participa de uma realidade comum, incluindo a cultura, valores, pensamentos…

Os templos pentecostais utilizam as RS para extorquir o dinheiro de seus frequentadores. Usam, por exemplo, as idéias do sistema capitalista para instituírem um « mercado divino » com negociações irrecusáveis entre fé, a paz eterna e, é claro, « dindin ». Os discursos magnetizantes acabam convencendo as pessoas a aliviarem seus blosos dessa praga responsável pelo mal e mesquinharia da humanidade – a moeda.

Essa abuso ideológico não consegue tapar a ridicularidad quando apela para frases do tipo: « Você não pode ganhar nada de graça, nem de Deus; para se conseguir uma graça, é preciso pagar. » E sem chance de pagamento simbólico ou substitutivo. Precisa ser grana e em espécie. « Se pagamos a um médico, o aluguel, por que não pagar a quem cura nossos males espirituais? » Alguém poderia responder: « Porque não tenho como pagar. » Mas certamente essa não seria uma resposta aceitável.

Afinal, onde estão os direitos do consumidor de Deus? Já uma velha piada dizia: « O caminho para o reino de Deus é Jesus. Eu sou o pedágio. » – declarou o Presidente da Igreja Universal do Reino de Deus.

Portanto, ter esperanças e crença em um mundo mais justo e melhor é por certo uma virtude e o começo para que belos sonhos se concretizem. Integrar-se em uma comunidade, com participação efetiva e envolvimento pessoal, frequentar uma religião e apostar em seus princípios são atitudes dignas de cidadãos humanos, potencialmente dotados e ativos. Porém, nada é bom quando se deixa cair no conformismo, na distorção de idéias originalmente bem intencionadas e no abuso do fantástico mistério que ronda a vida humana. Este enaltece a grande Natureza e deixa dúvidas que não foram criadas para serem solucionadas, mas usufruídas com humildade, alegria e benevolência. O abuso desse mistério para tomar posses alheias por seres infelizes e infinitamente insatisfeitos é que denigre imagens santas, acarreta problemas e mais problemas. É necessário se envolver, agir conscientemente e refletir com a mente aberta para não ficar como zumbi frente a dominação maliciosa.

por: Tania Montandon

Publicités